REVIEW – Kinera IDUN

KINERA IDUN

KINERA IDUN
8.1

Construção & Acessórios

8.0 /10

Ergonomia & Conforto

8.5 /10

Qualidade Sonora

7.2 /10

Custo Benefício

8.7 /10

Pros

  • Qualidade na construção
  • Conforto e egonomia
  • Qualidade e Ergonomia do cabo
  • Qualidade sonora

Cons

  • Ausência de ponteiras com Espuma de memória
  • Leve desconforto devido ao arco do cabo
  • Case de transporte poderia ter tranca mais segura
  • Sonoridade um pouco agressiva em alguns casos

Introdução

A Kinera Audio é uma empresa fundada na China, em 2007, tendo como foco no decorrer destes anos a produção OEM de produtos e também sua linha própria, como fones Earbud e In-Ears. A empresa é gerida por duas pessoas, tendo como gerente de Design, Aparência e Marketing Steve Tong e outra pessoa, de nome não revelado, como gestor de Produção e Relações de Negócios.

Segundo Steve, a empresa tem pretensões de avançar no ramo de Headphones e produtos Bluetooth.

A Kinera iniciou sua linha com fones earbuds, mas dentre os produtos já lançados, ganhou destaque com a produção de bons In-Ears de baixo custo, como o Kinera BD005 e Kinera H3. Estes dois primeiros foram os precursores e levaram, com o aperfeiçoamento e correção de problemas nos primeiros projetos, ao lançamento do Kinera Seed, uma evolução considerável dos antecessores e que despertou a atenção da comunidade de áudio.

Depois disso, já com certo reconhecimento e atenção da comunidade, produziu e lançou o Kinera Idun, fone este que será coberto em detalhes neste review.

Por fim, até o momento de conclusão deste texto, a marca está em vias de lançamento de seu próximo modelo, este categorizado bem acima dos atuais, chama-se Kinera Odin e tem um projeto ambicioso, tendo 8 drivers de armadura balanceada por lado, 2 para graves, 2 para médios, 2 para médio agudos e 2 para agudos, com crossover de 4 vias e construção premium.

Até o momento de conclusão deste texto, o Kinera Idun tem preço definido no lançamento de 140 dólares americanos e pode ser adquirido na loja oficial Kinera no AliExpress, Amazon, Ebay e algumas lojas especializadas, como PenonAudio e Lendmeurears.


Detalhes e método de avaliação

Meu principal tipo de fones de ouvido são os IEMs (In-Ears), faço uso todo dia útil no trabalho, com sessões que vão de 2 a 5 horas, com intervalos sempre que necessário. O fone aqui revisado foi adquirido por mim. Utilizei o fone diariamente, durante cerca de 15 dias antes da escrita deste texto, que contém minhas impressões sobre o mesmo.

Estas impressões são baseadas em minhas percepções, estilos musicais que gosto e obviamente, com a experiência que tenho e tive com outros fones, tanto IEMs como Headphones.

Utilizei como fonte principal um DAC/AMP Fiio Q5 com módulo de amplificação AM3A e a saída não balanceada.

Diversos modelos e tamanhos de ponteiras foram testados, tais como SpinFit, JVC Spiral Dots, Monoprice, Mee Audio e as que acompanham o fone. De todas as que consegui um bom isolamento e conforto, utilizei e recomendo para o Idun as JVC Spiral Dots, seguido das que acompanham o fone e das Monoprice. Para mim, são as ponteiras que melhor se encaixam na sonoridade do fone. Apesar de não ter feito testes por questões de ergonomia pessoal, as características do fone podem se dar bem também com ponteiras de espuma de memória, como as “Comply Memory Foam”.

Quando compro ou recebo de um amigo um fone, procuro escuta-lo exclusivamente por dias, com todas as músicas que conheço bem e carrego diariamente comigo. Isso garante que eu conheça bem o fone e me “livre” da influência dos meus outros fones. Depois de alguns dias, quando percebo que já conheço bem o fone, parto para comparações com outros fones para confirmar, tirar dúvidas, formar opiniões e então, escrever minhas impressões. Geralmente esse processo leva de 10 a 30 dias, dependendo de quão diferente o fone soa pra mim.

Procuro escrever de forma mais objetiva e simples possível, mesmo que em muitos casos isso não seja totalmente possível. Costumo cobrir a sonoridade do fone como um todo seguido de sessões específicas para Graves, Médios e Agudos, onde para cada região dessas, costumo separar minha audição/avaliação seguindo o esquema abaixo:

Graves: sub-graves, graves e médio graves

Médios: médios e médio agudos

Agudos: agudos

Bom, agora que já expliquei o principal sobre os métodos para formar esse texto, vamos ao fone!


Construção e Acessórios

O Kinera Idun tem uma qualidade excelente de construção, tem seu corpo construído em material acrílico e atualmente é disponibilizado para venda em duas cores. A primeira, tem corpo incolor e transparente, com “faceplate” em cor clara, imitando a aparência de uma superfície em marfim e com a logomarca em dourado, escrito Kinera. A segunda, tem corpo em azul translúcido, possibilitando, assim como na versão transparente, visualizar o interior do fone. A “faceplate” desta versão azul é colorida, com formatos abstratos e com logo também em dourado. A versão que adquiri para este review é a primeira.

Abaixo segue fotos para comparação de ambas as versão, fotos estas retiradas da página da loja Penon Audio.

 

O cabo que acompanha o fone segue a excelência do fone na construção e merece destaque. Trata-se de um cabo trançado de 8 vias, sendo 4 vias em cobre e 4 em cobre banhado a prata. Os conectores e separador Y tem revestimento em metal e são de excelente construção. O padrão utilizado nos plugs que ligam o cabo ao fone são muito comuns, 2 pinos de 0.78mm, largamente usados por várias fabricantes e fones In-Ear. O padrão de conector que se liga à fonte é 3.5mm não balanceado e será compatível com praticamente qualquer dispositivo com esta saída de fones.

 

 

Sobre o padrão 2 pinos 0.78mm, vale salientar um detalhe importante. O Fone que recebi tem plugs de conexão ao fone sem o recesso para In-Ears que utilizam sockets com recuo, os conhecidos “recessed sockets”. Isso impede o uso deste excelente cabo em alguns fones, como meu In-Ear custom da Unique Melody pois o plug não entra dentro do socket provendo insersão de profundidade ideal e segura. Abaixo duas fotos que ilustram essa característica, sendo a primeira uma foto do plug no cabo do Kinera (esquerda) lado a lado com um cabo da Venture Electronics (direita), que possui conectores com o recesso. A segunda foto, é de meu In-Ear custom, ao qual o cabo do Idun não serve.

 

 

Em uma pesquisa superficial, percebi que este tipo de plug não acompanha todos os fones Idun, as edições de review e a de um usuário no grupo “Fones de ouvido high-end” possuem conectores com o recesso, o que garante a compatibilidade com qualquer fone que utiliza o mesmo socket. Então, caso planejem comprar esse excelente cabo a parte para uso com outros fones, certifiquem-se junto a Kinera se o plug possui ou não o recesso.

Nos acessórios, o fone é acompanhado de:

  • 3 kits de ponteiras de silicone, modelos distintos, totalizando 7 pares em diversos tamanhos (um dos 3 kits possui apenas 2 tamanhos)
  • case rígida e circular pra transporte
  • 1 cabo com terminação 3.5mm TRS

 

Abaixo segue uma galeria com fotos completas que cobrem os detalhes de construção e acessórios.

 

 

A galeria com todas as fotos, em resolução original, pode ser acessada AQUI.


Ergonomia

O Idun possui formato muito ergonômico, feito nos moldes que são geralmente chamados de “semi custom” por ter formato parecido com fones customizados, feitos com o molde das orelhas do usuário. O corpo de cada lado do fone é relativamente pequeno facilitando, na maioria dos casos, o conforto e bom encaixe nas orelhas do usuário. Este é um formato que vem sendo adotado cada vez mais pelas fabricantes de fones In-Ear e o retorno dado pelos usuários tem sido bem positivo.

 

O fone possui os dutos de encaixe das ponteiras e de saída de áudio angulados e com bom comprimento, permitindo com facilidade obter bom conforto e isolamento tanto para quem prefere inserção rasa, quanto para os que preferem inserção profunda nos canais auditivos. Isso certamente garante uma boa flexibilidade e atenderá uma gama maior de usuários.

Para o cabo, a ergonomia é muito boa, tem um trançado muito bem feito das 8 vias, não muito apertado, que o deixa bem maleável, muito fácil de manusear e guardar na case de transporte. Na extremidade do cabo em que se encaixa os fones, há um arco maleável feito com tubos termo retráteis transparentes, sem utilização de arames internos para moldagem do arco. Nos primeiros dias de uso do Idun, tive vários casos de desconforto pelo fato desse arco pressionar a parte de trás das orelhas. Com o tempo, este arco foi cedendo e ficando menos apertado, melhorando o conforto. Nos últimos dias de avaliação, os casos de desconforto causado pelo cabo foram esporádicos e não atrapalharam a experiência geral com o fone.

Abaixo uma foto de como o fone fica durante meu uso.

 


Sonoridade

O Idun possui sonoridade relativamente neutra, com um pouco de ênfase nos médio agudos e agudos, conferindo uma assinatura clara e limpa, pendendo um pouco para o lado frio, o que favorece e facilita a obtenção de detalhes. Apesar da tonalidade mais clara e, digamos, analítica, tem uma quantidade boa de graves que conferem peso, impacto e corpo à sonoridade para garantir um bom nível de equilíbrio tonal entre graves, médios e agudos.

Uma assinatura assim, por expor mais os detalhes que os drivers são capazes de reproduzir, pode casar bem com estilos musicais que se beneficiam de maior ênfase nas altas, como musica clássica, jazz, acústicos e estilos com mais ênfase em vocais (blues acústico, folk, voz e cordas em geral). Além de estilos específicos, o Idun se beneficia ainda mais de boas gravações, pois leva ao extremo do detalhamento sem soar agressivo quando reproduz material bem gravado.

A espacialidade, e principalmente a imagem do Idun são muito boas, um pouco menos amplo que outros fones híbridos que já tive (bem mais caros, diga-se de passagem), mas certamente acima da média, acima do necessário pra se ter ótimo arejamento, separação e posicionamento de instrumentos.

 

Graves

Os graves tem quantidade que garante bom corpo e impacto, mas sem se tornar demasiado, sem tirar o foco da proposta do fone em ter uma sonoridade clara e detalhada. Possuem impacto, corpo e textura típica de drivers dinâmicos e reproduzem bem os detalhes dos graves. O equilíbrio entre sub graves, graves e médio graves é bom, não há muita ênfase em uma só região, o que ajuda na transição limpa para os médios mas sem emagrecer os vocais, algo que muitas vezes ocorre em fones de configuração híbrida de dinâmico com armaduras balanceadas.

A extensão dos graves e controle são muito bons, reproduz com facilidade notas bem baixas de graves e sub graves, sempre livre de distorções e/ou falta de controle.

 

Médios

Pronunciados, com ênfase nos médio agudos se comparado aos médios mais baixos, resultando em vocais de corpo médio, mas que pra mim soam dentro de um nível bem aceitável de naturalidade. Os médios tem tonalidade um pouco mais fria e estão em linha com os agudos, se destacando um pouco mais dos graves. Tem ótima obtenção de detalhes e boa resolução, que na minha opinião se encaixam perfeitamente com o preço e tipos de drivers usados. Certamente a tonalidade e foco nos médio agudos é o fator crucial para a sonoridade geral deste fone, que é clara, limpa e detalhada.

Apesar de serem pronunciados, os médios são livres de picos e se mostram bem lineares, não detectei problemas sérios de coerência ou agressividade.

 

Agudos

Estes, assim como os médios, tem tonalidade fria e estão um pouco pronunciados demais para o que considero “natural” ou “neutro”. Apesar de conferir maior brilho e muitas vezes, agressividade ao fone, acredito que tenha sido opção da Kinera tal acerto dos agudos, pois se encaixam bem com a assinatura geral do fone. Eu particularmente, encaro como uma característica, um opção de sonoridade a se considerar, e não um problema, mas gostaria de um pouco menos de atividade nos agudos, talvez com um filtro mais atenuante nas duas armaduras balanceadas.

Mesmo não se encaixando bem no meu gosto pessoal, considero agudos bem feitos, livre de problemas críticos e picos muito incisivos em uma região única, ao qual já presenciei em fones mais caros, também com configuração híbrida de dinâmico com armadura balanceada.


Conclusão

O Kinera Idun foi o único fone da marca que pude avaliar até agora, mas com toda certeza mostrou, sem sombra de dúvidas o que a marca pode e está disposta a fazer. O que me chamou mais atenção, logo que fiquei sabendo do fone, foi a construção que me pareceu um pouco acima da média para o preço sugerido. Ao receber o fone, pude confirmar logo que de fato a construção é excelente! Pra mim, uma referência para sua faixa de preço.

Sua assinatura equilibrada, porém clara, detalhada e com certa ênfase nas regiões mais altas dos médios e agudos não atende perfeitamente meu gosto pessoal, mas se mostrou muito bem feita, livre de problemas críticos e que mostram que a Kinera tinha em mente essa assinatura específica.

Com toda certeza posso recomendar o Kinera Idun para quem busca essa sonoridade, com ótima qualidade de construção e nessa faixa de preço, abaixo dos 200 dólares americanos.

Espero ter oportunidade de conferir o que a Kinera nos reserva com seu próximo fone, o Kinera Odin.

Deixe uma resposta